O amor de Deus é Jesus

Tempo de leitura: 4 minutos

O amor de Deus é incondicional, ele entregou seu próprio filho por amor a nós, mesmo nós sendo ainda pecadores.

Vamos, nesse momento, refletir um pouco mais sobre como podemos olhar para Deus e enxergar um pai amoroso, não um Deus distante.

“Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor.

Mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai.

O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”. (Romanos 8:15,16)

Refletindo sobre o Amor de Deus

Nem sempre é fácil sentir o amor de Deus.

Principalmente quando estamos dominados pela tristeza e decepção que frequentemente nos acomete neste mundo.

Porém, o amor de Deus torna-se claro quando refletimos sobre Jesus.

Sua vinda e sacrifício foram a prova viva de que não estamos só, antes, somos importantes para Deus.

“Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco:

Que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos”. (1 João 4:9)

O plano de salvação e a manifestação do amor de Deus por nós é muito maior do que nossa existência como corpo ou do que nossas expectativas para esta vida.

Por isso que, por mais que tentem explicar com livros e conceitos filosóficos.

Muitos ainda questionam a bondade e misericórdia de Deus ao depararem-se com o problema do sofrimento ou com as fragilidades dessa existência atual.

Amor de Deus que entregou Jesus para nossa Justificação e Salvação

É importante, no entanto, entender que Jesus não só morreu em nosso lugar.

Mas ele nos justificou e santificou por meio de seu sacrifício.

Além disso, deixou instruções para que entendêssemos a brevidade desta vida.

Somos apenas um sopro (Tiago 4:14).

Devemos viver como quem está de passagem, sem nos submeter às vontades de nossa carne pecaminosa (1 Pedro 2:11).

E sabendo que por mais aflições que certamente enfrentaremos, nossa esperança está em Jesus (João 3:33).

Que em breve virá nos buscar (João 14: 2-3).

Aqueles que viram Jesus face a face, seus discípulos e seguidores.

Que acompanharam sua trajetória e sacrifício nesse mundo, entenderam essa profunda verdade e estavam dispostos a abrir mão de suas vidas.

Muitos realmente abriram, porque entenderam e se agarraram à verdade de que nada nesse mundo poderia afastá-los do amor de Deus.

“Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”. (Romanos 8:38,39)

Manifestação do Amor de Deus

Deus manifestou o seu amor e sua misericórdia por nós nos oferecendo a salvação.

Mas as dores que enfrentamos neste mundo e a própria morte são necessários.

Tanto para nos moldar quanto como consequência do pecado do homem.

Estaremos livres apenas quando, finalmente, estivermos com Deus.

Porém, podemos pensar que ele está demorando muito para cumprir suas promessas, “como é possível Deus permitir tantas maldades?”.

Mas a verdade é que nosso Deus é paciente.

Ele espera para que tenhamos a oportunidade de conhecê-lo.

Espera para que se cumpra o propósito de nossa vida.

Quanto ao sofrimento, podemos lembrar da reflexão de C.S. Lewis no livro “A anatomia de uma dor” (Editora Vida, 2006).

Sobre como é possível que um Deus verdadeiramente bom veja nosso sofrimento e mesmo assim não ouça nossa súplica e nos liberte.

Sobre isso, Lewis chega a conclusão:

Ou Ele não é realmente bom, ou nossa dor é necessária.

Sim, nossa dor é necessária, mas não é definitiva.

“Ele veio e anunciou paz a vocês que estavam longe e paz aos que estavam perto, pois por meio dele tanto nós como vocês temos acesso ao Pai, por um só Espírito”. (Efésios 2:17-18)

Manifestação do Amor de Deus

O amor de Deus se manifesta em Cristo para que conheçamos sua completa longanimidade e não percamos a esperança.

Como diz John Piper em seu devocional “Alegria Inabalável”:

“[…] para “evidenciar a sua completa longanimidade” para nós.

Para que não percamos a esperança.

Para que não pensemos que ele não poderia realmente nos salvar.

Para que não pensemos que ele está inclinado à ira.

Para que não pensemos que fomos longe demais.”

Esse é o motivo pelo qual Deus nos enche de esperança e paciência em sua palavra e por meio do Espírito Santo.

“Estou absolutamente convencido de que os nossos sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada. (Romanos 8:18)

[…] Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna”. (Hebreus 4:16 )

Deus te abençoe!

Gostou do artigo? Deixe seu comentário e compartilhe nas redes sociais.

 

2 Comentários


  1. A paz do Senhor Jesus Cristo irmãos estava lendo seu comentário e deparei com esta frase onde a palavra “deus” está em minúsculo “Manifestação do Amor de deus” isso procede?
    Att
    Luiz Carlos Ribeiro
    Teólogo

    Responder

    1. A paz do Senhor Jesus meu irmão!
      Acabou passando pela nossa revisão, já corrigimos.
      Muito obrigado pela observação!
      Que Deus lhe abençoe!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *